Millet – um alimento saudável

millet ou milheto é um cereal pouco conhecido, mas graças à suas suas vantagens nutricionais, pode fazer parte de uma alimentação saudável. É considerado um verdadeiro elixir de beleza, especialmente para as unhas, cabelo e pele. A sua riqueza em hidratos de carbono, permite substituir a batata e as massas, e ainda preparar sobremesas deliciosas. Tem a vantagem de não conter glúten, o que o torna adequado para a alimentação de todas as pessoas, mesmo aquelas com intolerâncias alimentares. Pode ser cozinhado como o arroz.

Este pequeno grão chamado de várias maneiras milhete/milheto, millet, milho-miúdo e painço é desde tempos remotos muito consumido em África e Ásia, sendo cada vez mais utilizado na Europa devido à sua riqueza em nutrientes que contribuem enormemente para a saúde. Um dos seus constituintes – o silício – ajuda a manter a pele elástica e firme.

Millet – um grão saudável

A procura de novos alimentos para integrar numa alimentação saudável é muitas vezes mais fácil do que se pensa. O millet é um desses alimentos ainda pouco conhecido mas que cumpre em grande medida esse requisito.

O millet contém muitos minerais e oligoelementos importantes para a saúde, em particular o silício, que graças ao qual recebe a designação de cereal da beleza, contém ainda ferro e magnésio, que beneficiam a saúde dos ossos, articulações, pele, cabelo e unhas. É um alimento fácil de digerir e alcalinizante, o que ajuda a manter o equilíbrio do pH sanguíneo do organismo.

Millet – rico em silício

Este pequeno grão contém uma grande quantidade de silício, muito superior aos cereais comuns (trigo, aveia, centeio). O silício é um oligoelemento muito importante para a estrutura da pele, cabelo e unhas, pois vai proporcionar elasticidade e firmeza ao tecido conjuntivo e manter assim uma aparência saudável.

O silício ajuda a renovar as fibras de colagénio e elastina da pele (veja os melhores óleos essenciais para rugas), tornando-a mais flexível e firme e menos propensa a rugas e celulite. Melhora ainda a absorção da humidade, condição especial para potenciar a hidratação da pele. A pele seca melhora significativamente. O millet graças ao seu elevado teor em silício promove o crescimento do cabelo e das unhas e contribui para a formação óssea.

Fonte de Ferro natural – essencial para o sangue

Além de muito rico em silício, o millet contém um teor de ferro muito superior aos dos outros cereais. Este pequeno grão contém duas a três vezes mais ferro do que o trigo, 50g de millet contém cerca de 3,5 mg de ferro, cobrindo um quarto das necessidades de ferro do organismo humano. Especialmente útil para as mulheres que sofrem perdidas deste mineral periodicamente.

O ferro intervém em funções importantes do corpo, ajuda a transportar o oxigênio no sangue, na produção de energia e na divisão celular. Em casos de fadiga crónica o ferro é uma grande ajuda. De modo a melhorar a absorção do ferro deve haver um consumo ótimo de vitamina C.

Millet – um cereal sem glúten

O millet tem ainda a vantagem de ser um cereal que não contém glúten, ideal para pessoas com alergias e com intolerâncias alimentares, nomeadamente a doença celíaca, mas também para problemas gastrointestinais ou simplesmente para quem deseja adotar uma dieta livre de glúten, sendo uma boa alternativa para substituir os cereais como o trigo o centeio que contêm uma elevada proporção de glúten.

Millet – um alimento de fácil digerir

Para além de todos os referidos minerais e oligoelementos, os grãos de millet contêm também magnésio, cálcio e vitaminas Epró-vitamina A e várias vitaminas B. A sua composição nutricional tem cerca de 70% de hidratos de carbono, 10% de proteínas e cerca de 5% de gordura.

Para problemas gastrointestinais e cálculos biliares este cereal é recomendado dado à sua fácil e boa digestibilidade. Em dietas especiais como doentes de cancro, o millet é recomendado por ser um cereal que se digere facilmente. Outra das suas virtude é o seu contributo ao fortalecimento do sistema imunológico, atuando contra vírus e bactérias. É também especialmente recomendado no tratamento de constipações e doenças respiratórias, porque contraria a formação de muco, ao contrário de outros grãos, como o trigo ou centeio que levam o corpo a formar muco.

Como cozinhar o Millet?

Cozinha-se da mesma forma que o arroz – uma medida de millet para 3 medidas de água ou caldo de legumes -, o tempo pode variar entre 20 a 30 minutos. Depois da água levantar fervura adiciona-se o millet e coze tapado em lume brando até a água ser absorvida. Se o milhete for previamente demolhado o tempo de cozedura reduz-se para a metade.

O millet também serve para fazer sobremesas, da mesma forma que o conhecido arroz doce. Para tal a quantidade de leite deve ser um pouco mais elevada, 4 vezes mais a mesma quantidade deste cereal.

O grãos de millet à semelhança de outros cereais também são transformados pela industria alimentar e encontrados no mercado em diferentes formas, como farinha e flocos de milheto, podendo fazer parte na confecção de bolos, pães e cereais do pequeno almoço. Na confecção de pães e bolos a farinha de milheto ao não conter glúten, deve ser misturada com outras farinhas, como a farinha de trigo.

Convém ainda acrescentar que o millet não deve ser ingerido cru sempre cozinhado.

ATENÇÃO: O nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Deve sempre consultar um médico ou um profissional de saúde antes de iniciar qualquer tipo de tratamento.